Avenida Dorival Cândido Luiz de Oliveira, 5360 - Sala: 204
São Vicente - Parada 66 - Gravataí/RS

Sede própria - deste 1985

  • (51) 3490-1125

Mais do que prestação de serviços...

Uma parceria!

Solidão é a nova epidemia global e afeta principalmente líderes e gestores

Pesquisas destacam o impacto no desempenho e bem-estar dos líderes

A solidão, frequentemente associada ao envelhecimento, é uma realidade que também afeta líderes e gestores de maneira significativa. Segundo a neuropsicóloga e professora do Insper, Luciana Lima, a posição de liderança, muitas vezes vista como glamourosa e prestigiosa, carrega um custo alto: a solidão. “Existe muito glamour em torno do papel do líder, por conta do status. No entanto, cada vez menos essa posição é desejada, pois o custo é a solidão, que pode ser bem alto, porque somos seres sociais por natureza biológica,” afirma Lima.

Segundo a especialista, a solidão dos líderes é exacerbada pela competição por recursos no ambiente organizacional. “A posição de gestor é solitária porque você está no mesmo ambiente organizacional onde há recursos limitados. Os gestores acabam competindo por esses recursos, o que cria um ambiente naturalmente competitivo e agrava a solidão dos líderes”, comenta a especialista.

Um estudo do Harvard Business Review revelou que mais de 70% dos novos CEOs relatam sentimentos de solidão, e essa situação não se restringe apenas aos níveis mais altos de liderança. Líderes de todos os níveis frequentemente experimentam um senso de isolamento devido às suas responsabilidades e à natureza de suas posições (Harvard Business Publishing). “Essa pesquisa mostra que a solidão é um fenômeno que afeta de maneira significativa líderes e gestores, com repercussões diretas em sua saúde emocional e desempenho no trabalho”, alerta a neuropsicóloga.

Outro estudo conduzido pelo Wharton School mostra que a solidão no local de trabalho pode reduzir o comprometimento emocional dos gestores com a organização, afetando negativamente seu desempenho. A pesquisa também destaca que colegas de trabalho tendem a perceber líderes solitários como distantes e menos acessíveis, o que pode levar a menos interações informais e úteis, exacerbando ainda mais o sentimento de isolamento (Wharton Executive Education).

“Além disso, a solidão entre líderes não é apenas um problema individual, mas afeta toda a dinâmica organizacional. Quando os gestores se sentem isolados, isso pode impactar suas habilidades de liderança e a cultura da empresa, criando um ambiente de trabalho menos coeso e colaborativo”, explica Lima.

Segundo a professora do Insper, a combinação dessas pesquisas evidencia que a solidão entre líderes e gestores é uma questão crítica que necessita de atenção. “Prover suporte emocional e criar um ambiente de trabalho que promove a conexão social pode ajudar a reduzir os efeitos negativos da solidão e melhorar o bem-estar e a produtividade dos líderes”, finaliza.